15/07/2016

Encerramento da II Conferência Paulista de Ecologia e Transportes

Encerramento da II Conferência Paulista de Ecologia e Transportes

A fauna foi o destaque da II Conferência Paulista de Ecologia e Transportes. Ou melhor, o atropelamento de animais nas estradas paulistas. Os números impressionam. Dados aferidos nos relatórios da Polícia Militar Rodoviária no TJSP, entre 2005 e 2013, apontam que ocorreram 23.858 acidentes rodoviários envolvendo a fauna. Eles provocaram 6.198 vítimas humanas, das quais cerca de 600 morreram. Em termos percentuais, esse tipo de acidente representou 3,58% dos acidentes em rodovias.

A Conferência realizada nos dias 13 e 14 de julho no Auditório Augusto Ruschi, da Secretaria do Meio Ambiente (SMA), foi fruto de parceria entre a SMA, a Agência Reguladora de Serviços Públicos (Artesp), Delegados de Transporte do Estado de São Paulo e a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP).

Em sua segunda edição, a Conferência foi palco de apresentações e debates relacionados, também à sustentabilidade ambiental, inovações tecnológicas, gestão ambiental e segurança dos usuários nos transportes rodoviários, ferroviários, hidroviários e aeroviários. Foi ponto de partida para a disseminação de boas práticas e integração entre ecologia, gestão ambiental, pesquisas e o setor dos transportes.

Cristina Azevedo (Kitty), secretária adjunta do Meio Ambiente; Daniel Morato Amaral Lopes, diretor da Sem Parar; João Cumerlato, diretor superintendente da ConectCar; Kátia Ferraz, do Departamento de Ciências Florestais da Esalq/USP; Pedro Umberto Romanini, coordenador de Meio Ambiente da Artesp; e Flávio Azan, diretor de Negócios e Relacionamento com o Mercado da Dbtrans, compuseram a mesa de abertura.

Kitty deu boas-vindas aos participantes, destacando o trabalho desenvolvido pela SMA, desde 2011, com o Departamento de Fauna (DeFau), no tocante ao acompanhamento e fiscalização da movimentação da fauna silvestre nas estradas paulistas. Falou também sobre as estradas que cortam as APAs, citando, como exemplo, a Estrada-Parque Estadual Carlos Botelho (PECB), que mudou seu horário de funcionamento – das 6h às 20h – para evitar o atropelamento de animais silvestres com hábitos noturnos.

Primeiro dia
Ecotrans interna 01

Para ministrar as palestras foram convidados especialistas de alguns dos principais órgãos de transporte e meio-ambiente do Brasil e, também, de outros países, além de professores, doutores e mestres da Esalq/USP e de outras instituições de renome.

A primeira palestrante veio de longe. A australiana Kylie Soanes – doutora ecologista formada pela Universidade de Melbourne, na Austrália – atua na área da Ecologia de Rodovia em assuntos relacionados à preservação de mamíferos. Soanes contou como utiliza seus estudos de campo e abordagens genéticas. O fruto de seu doutorado é uma pesquisa para avaliar a eficácia das estruturas das passagens de mamíferos arborícolas nas estradas do sudeste da Austrália.

O assunto de Alexandre Carlos Penha Delijaicov – arquiteto do Departamento de Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – foi “O Hidroanel para a Região Metropolitana de São Paulo”. Delijaicov falou sobre o Grupo Metrópole Fluvial, da FAU, que realiza pesquisa em projeto de arquitetura de infraestruturas urbanas fluviais no cinturão de São Paulo. A pesquisa aborda a ideia da criação de ecoportos, para onde seriam destinados resíduos sólidos produzidos pela metrópole e onde existiriam biodigestores e coleta seletiva.

O assunto da terceira palestra do dia é alarmante: a fauna e a segurança aeronáutica. O tenente-coronel Henrique Rubens de Boliveira, do Cenipa/Fab, revelou que, anualmente, os acidentes aéreos envolvendo aves causam um prejuízo global de US$ 3 bilhões. Falou também sobre os esforços feitos pelo setor para mitigação do problema.

O primeiro dia terminou com a palestra de Rodrigo Sanches Garcia, promotor de Justiça do Gaema/PC – Campinas, sob o tema Ecologia de Estradas e a atuação do Ministério Público. Ele apontou dados de 10 anos em estradas que somam 1.912 km na região de Campinas. Os dados registram 48 mil animais atropelados, dos quais 5 mil foram capivaras. O promotor falou do esforço que o Gaema tem feito para melhorar as passagens para os animais nas estradas da região.

Segundo Dia

Marcel Huijser é pesquisador da Western Transportation Institute da Montana State University. Lá desenvolve pesquisas relacionadas aos impactos causados à fauna por rodovias americanas. Atua também no planejamento e monitoramento de medidas de mitigação. Portanto, o tema de sua palestra aborda “A importância das cercas em projetos de mitigação para o atropelamento de fauna em rodovias”. Embora atue nos EUA, Marcel Huijser conhece bem nossas estradas. Em 2014, foi professor visitante na Esalq/USP onde ministrou a primeira disciplina de pós-graduação sobre Ecologia de rodovias no estado de São Paulo.

“Estradas rurais e a crise hídrica” foi o assunto da palestra do professor Silvio Ferraz do Departamento de Ciências Florestais da Esalq/USP. Ele discorreu, especialmente, sobre o quanto as estradas rurais – a maioria mal conservadas – contribuem para a crise hídrica. Elas são responsáveis por detritos que são levados para os riachos, depois para os rios e por fim acabam sedimentados nos fundos das represas que nos abastecem.

“Pagar ou prevenir? – Análise das jurisprudências envolvendo animais em acidentes rodoviários no estado de São Paulo” foi o tema apresentado conjuntamente pela bióloga Fernanda Abra (ESALQ/USP) e pela advogada Beatriz Granziera (SMA/SP). Pesquisas realizadas no TJSP pelas palestrantes aferiram que, entre 2005 e 2013, foram julgados pelo tribunal 23.858 acidentes envolvendo animais, provocando 6.198 vítimas humanas, as quais cerca de 600 vieram a falecer. Em 979 casos analisados, constatou-se que foram pagos mais de R$ 24 milhões em indenizações, geralmente, pagas pelas concessionárias, sobretudo quando os acidentes são provocados por animais silvestres.

O seminário terminou com a Mesa-Redonda: O Futuro das rodovias paulistas e questões ambientais, da qual participaram Tathiana Bagatini, do Ibama, Pedro Umberto Romanini, da Artesp, Beatriz Granziera, da SMA, Camilo Giorgi, da Cetesb e Monicque Silva Pereira, do DeFau. A mesa apresentou sugestões para a mitigação dos acidentes nas estradas paulistas. Algumas já estão sendo implementadas, como a releitura da sinalização nas estradas, a sensibilização de motoristas de caminhão, treinamento de inspetores e funcionários para manejo da fauna etc.

Bicho quem te viu quem te vê é uma exposição itinerante que, no momento, está em cartaz no PE Jaraguá. Ela foi citada como exemplo da importância da educação ambiental. É preciso mudar o comportamento do motorista nas estradas, principalmente, quando ele está trafegando por estradas em áreas de preservação, pois nelas, nunca se sabe quando, numa curva, um animal que vive ali desde sempre estará trafegando calmamente pelos seus domínios.

A australiana Kylie Soanes contou como utiliza seus estudos de campo e abordagens genéticas

A australiana Kylie Soanes contou como utiliza seus estudos de campo e abordagens genéticas

O americano Marcel Huijser é desenvolve pesquisas relacionadas aos impactos causados à fauna por rodovias americanas

O americano Marcel Huijser desenvolve pesquisas relacionadas aos impactos causados à fauna por rodovias americanas

“Estradas rurais e a crise hídrica” foi o assunto da palestra de Silvio Ferraz, da Esalq/USP.

“Estradas rurais e a crise hídrica” foi o assunto da palestra de Silvio Ferraz, da Esalq/USP

Fernanda Abra e Beatriz Granziera dividiram a palestra para falar sobre “Pagar ou prevenir? – Análise das jurisprudências envolvendo animais em acidentes rodoviários no estado de SP”

Fernanda Abra e Beatriz Granziera dividiram a palestra para falar sobre “Pagar ou prevenir? – Análise das jurisprudências envolvendo animais em acidentes rodoviários no estado de SP”

O tenente-coronel Henrique Rubens de Boliveira falou sobre os acidentes aeronáuticos envolvendo aves

O tenente-coronel Henrique Rubens de Boliveira falou sobre os acidentes aeronáuticos envolvendo aves

Ecotrans Interna 02

O assunto do arquiteto Alexandre Carlos Penha Delijaicov, da Fau/Usp, foi o projeto da construção de um Hidroanel para a Região Metropolitana de São Paulo

Rodrigo Sanches Garcia, promotor de Justiça do Gaema/PC – Campinas falou sobre Ecologia de Estradas e a atuação do Ministério Público

Rodrigo Sanches Garcia, promotor de Justiça do Gaema/PC – Campinas falou sobre Ecologia de Estradas e a atuação do Ministério Público

Texto: Dirceu Rodrigues
Fotos: José Jorge e Pedro Calado

15/07/2016

Encerramento da II Conferência Paulista de Ecologia e Transportes

Encerramento da II Conferência Paulista de Ecologia e Transportes

A fauna foi o destaque da II Conferência Paulista de Ecologia e Transportes. Ou melhor, o atropelamento de animais nas estradas paulistas. Os números impressionam. Dados aferidos nos relatórios da Polícia Militar Rodoviária no TJSP, entre 2005 e 2013, apontam que ocorreram 23.858 acidentes rodoviários envolvendo a fauna. Eles provocaram 6.198 vítimas humanas, das quais cerca de 600 morreram. Em termos percentuais, esse tipo de acidente representou 3,58% dos acidentes em rodovias.

A Conferência realizada nos dias 13 e 14 de julho no Auditório Augusto Ruschi, da Secretaria do Meio Ambiente (SMA), foi fruto de parceria entre a SMA, a Agência Reguladora de Serviços Públicos (Artesp), Delegados de Transporte do Estado de São Paulo e a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP).

Em sua segunda edição, a Conferência foi palco de apresentações e debates relacionados, também à sustentabilidade ambiental, inovações tecnológicas, gestão ambiental e segurança dos usuários nos transportes rodoviários, ferroviários, hidroviários e aeroviários. Foi ponto de partida para a disseminação de boas práticas e integração entre ecologia, gestão ambiental, pesquisas e o setor dos transportes.

Cristina Azevedo (Kitty), secretária adjunta do Meio Ambiente; Daniel Morato Amaral Lopes, diretor da Sem Parar; João Cumerlato, diretor superintendente da ConectCar; Kátia Ferraz, do Departamento de Ciências Florestais da Esalq/USP; Pedro Umberto Romanini, coordenador de Meio Ambiente da Artesp; e Flávio Azan, diretor de Negócios e Relacionamento com o Mercado da Dbtrans, compuseram a mesa de abertura.

Kitty deu boas-vindas aos participantes, destacando o trabalho desenvolvido pela SMA, desde 2011, com o Departamento de Fauna (DeFau), no tocante ao acompanhamento e fiscalização da movimentação da fauna silvestre nas estradas paulistas. Falou também sobre as estradas que cortam as APAs, citando, como exemplo, a Estrada-Parque Estadual Carlos Botelho (PECB), que mudou seu horário de funcionamento – das 6h às 20h – para evitar o atropelamento de animais silvestres com hábitos noturnos.

Primeiro dia
Ecotrans interna 01

Para ministrar as palestras foram convidados especialistas de alguns dos principais órgãos de transporte e meio-ambiente do Brasil e, também, de outros países, além de professores, doutores e mestres da Esalq/USP e de outras instituições de renome.

A primeira palestrante veio de longe. A australiana Kylie Soanes – doutora ecologista formada pela Universidade de Melbourne, na Austrália – atua na área da Ecologia de Rodovia em assuntos relacionados à preservação de mamíferos. Soanes contou como utiliza seus estudos de campo e abordagens genéticas. O fruto de seu doutorado é uma pesquisa para avaliar a eficácia das estruturas das passagens de mamíferos arborícolas nas estradas do sudeste da Austrália.

O assunto de Alexandre Carlos Penha Delijaicov – arquiteto do Departamento de Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – foi “O Hidroanel para a Região Metropolitana de São Paulo”. Delijaicov falou sobre o Grupo Metrópole Fluvial, da FAU, que realiza pesquisa em projeto de arquitetura de infraestruturas urbanas fluviais no cinturão de São Paulo. A pesquisa aborda a ideia da criação de ecoportos, para onde seriam destinados resíduos sólidos produzidos pela metrópole e onde existiriam biodigestores e coleta seletiva.

O assunto da terceira palestra do dia é alarmante: a fauna e a segurança aeronáutica. O tenente-coronel Henrique Rubens de Boliveira, do Cenipa/Fab, revelou que, anualmente, os acidentes aéreos envolvendo aves causam um prejuízo global de US$ 3 bilhões. Falou também sobre os esforços feitos pelo setor para mitigação do problema.

O primeiro dia terminou com a palestra de Rodrigo Sanches Garcia, promotor de Justiça do Gaema/PC – Campinas, sob o tema Ecologia de Estradas e a atuação do Ministério Público. Ele apontou dados de 10 anos em estradas que somam 1.912 km na região de Campinas. Os dados registram 48 mil animais atropelados, dos quais 5 mil foram capivaras. O promotor falou do esforço que o Gaema tem feito para melhorar as passagens para os animais nas estradas da região.

Segundo Dia

Marcel Huijser é pesquisador da Western Transportation Institute da Montana State University. Lá desenvolve pesquisas relacionadas aos impactos causados à fauna por rodovias americanas. Atua também no planejamento e monitoramento de medidas de mitigação. Portanto, o tema de sua palestra aborda “A importância das cercas em projetos de mitigação para o atropelamento de fauna em rodovias”. Embora atue nos EUA, Marcel Huijser conhece bem nossas estradas. Em 2014, foi professor visitante na Esalq/USP onde ministrou a primeira disciplina de pós-graduação sobre Ecologia de rodovias no estado de São Paulo.

“Estradas rurais e a crise hídrica” foi o assunto da palestra do professor Silvio Ferraz do Departamento de Ciências Florestais da Esalq/USP. Ele discorreu, especialmente, sobre o quanto as estradas rurais – a maioria mal conservadas – contribuem para a crise hídrica. Elas são responsáveis por detritos que são levados para os riachos, depois para os rios e por fim acabam sedimentados nos fundos das represas que nos abastecem.

“Pagar ou prevenir? – Análise das jurisprudências envolvendo animais em acidentes rodoviários no estado de São Paulo” foi o tema apresentado conjuntamente pela bióloga Fernanda Abra (ESALQ/USP) e pela advogada Beatriz Granziera (SMA/SP). Pesquisas realizadas no TJSP pelas palestrantes aferiram que, entre 2005 e 2013, foram julgados pelo tribunal 23.858 acidentes envolvendo animais, provocando 6.198 vítimas humanas, as quais cerca de 600 vieram a falecer. Em 979 casos analisados, constatou-se que foram pagos mais de R$ 24 milhões em indenizações, geralmente, pagas pelas concessionárias, sobretudo quando os acidentes são provocados por animais silvestres.

O seminário terminou com a Mesa-Redonda: O Futuro das rodovias paulistas e questões ambientais, da qual participaram Tathiana Bagatini, do Ibama, Pedro Umberto Romanini, da Artesp, Beatriz Granziera, da SMA, Camilo Giorgi, da Cetesb e Monicque Silva Pereira, do DeFau. A mesa apresentou sugestões para a mitigação dos acidentes nas estradas paulistas. Algumas já estão sendo implementadas, como a releitura da sinalização nas estradas, a sensibilização de motoristas de caminhão, treinamento de inspetores e funcionários para manejo da fauna etc.

Bicho quem te viu quem te vê é uma exposição itinerante que, no momento, está em cartaz no PE Jaraguá. Ela foi citada como exemplo da importância da educação ambiental. É preciso mudar o comportamento do motorista nas estradas, principalmente, quando ele está trafegando por estradas em áreas de preservação, pois nelas, nunca se sabe quando, numa curva, um animal que vive ali desde sempre estará trafegando calmamente pelos seus domínios.

A australiana Kylie Soanes contou como utiliza seus estudos de campo e abordagens genéticas

A australiana Kylie Soanes contou como utiliza seus estudos de campo e abordagens genéticas

O americano Marcel Huijser é desenvolve pesquisas relacionadas aos impactos causados à fauna por rodovias americanas

O americano Marcel Huijser desenvolve pesquisas relacionadas aos impactos causados à fauna por rodovias americanas

“Estradas rurais e a crise hídrica” foi o assunto da palestra de Silvio Ferraz, da Esalq/USP.

“Estradas rurais e a crise hídrica” foi o assunto da palestra de Silvio Ferraz, da Esalq/USP

Fernanda Abra e Beatriz Granziera dividiram a palestra para falar sobre “Pagar ou prevenir? – Análise das jurisprudências envolvendo animais em acidentes rodoviários no estado de SP”

Fernanda Abra e Beatriz Granziera dividiram a palestra para falar sobre “Pagar ou prevenir? – Análise das jurisprudências envolvendo animais em acidentes rodoviários no estado de SP”

O tenente-coronel Henrique Rubens de Boliveira falou sobre os acidentes aeronáuticos envolvendo aves

O tenente-coronel Henrique Rubens de Boliveira falou sobre os acidentes aeronáuticos envolvendo aves

Ecotrans Interna 02

O assunto do arquiteto Alexandre Carlos Penha Delijaicov, da Fau/Usp, foi o projeto da construção de um Hidroanel para a Região Metropolitana de São Paulo

Rodrigo Sanches Garcia, promotor de Justiça do Gaema/PC – Campinas falou sobre Ecologia de Estradas e a atuação do Ministério Público

Rodrigo Sanches Garcia, promotor de Justiça do Gaema/PC – Campinas falou sobre Ecologia de Estradas e a atuação do Ministério Público

Texto: Dirceu Rodrigues
Fotos: José Jorge e Pedro Calado